Google+ Badge

terça-feira, 19 de agosto de 2014

O ESTILO WEIZENBOCK SEGUNDO O BJCP

Por Letícia Souza Gomes e Artur Neves


O BJCP (Beer Judge Certification Program) define as diretrizes de estilo para cerveja. Nesse guia podemos encontrar todos os estilos conhecidos até hoje, analisando a cerveja sob todos os aspectos: cor, aroma, sabor, corpo, densidade, teor alcoólico e muito mais.
Weizenbock

Aroma: Rico de melanoidinas similares a Bock e maltosidade semelhante a pão, combinados com aroma intenso de frutas escuras (ameixa, ameixa-seca, uva-passa ou uva). Fenólicos de moderado a forte (mais comumente baunilha e/ou cravo) adicionam complexidade, e podem estar presentes também alguns ésteres de banana. É comum o aroma moderado de álcool, embora nunca remetendo a solvente. Nenhum aroma de lúpulo, diacetil ou DMS.

Aparência: Coloração de âmbar escuro a marrom escuro com notas de rubi. Colarinho bege claro muito grosso, persistente e consistente. O elevado teor de proteínas do trigo dificulta a limpidez neste estilo, tradicionalmente não filtrado, embora este nível de turbidez seja variável. O sedimento de leveduras em suspensão (que deve ser misturado antes de beber) também contribui para a turbidez.

Sabor: Complexo casamento entre melanoidinas similares a Bock, frutas escuras, fenólicos condimentados semelhantes a cravo, leve sabor de banana e baunilha e moderado sabor de trigo. O sabor maltoso de trigo similar a pão é reforçado pelo farto uso de maltes Viena e/ou Munique. Pode apresentar paladar levemente adocicado e suave caráter de chocolate (embora a presença de notas torradas seja inapropriada). Um discreto e agradável caráter ácido pode estar opcionalmente presente. Sabor de lúpulo ausente e amargor de lúpulo baixo. Caráter de trigo, malte e levedura predominam no paladar e o álcool ajuda a equilibrar o final. Exemplares bem envelhecidos podem apresentar oxidação tipo vinho de Xerez como nota de complexidade. Nenhum diacetil ou DMS.

Sensação de Boca: Corpo de médio-alto a alto. Uma sensação cremosa é típica, assim como calor pelo substancial teor alcoólico. A presença de maltes Viena e/ou Munique também proporciona sensação adicional de riqueza e plenitude. Carbonatação de moderada a alta. Nunca quente ou similar a solvente.

Impressão Geral: Uma ale a base de malte de trigo, forte, maltosa, frutada e que combina os melhores sabores de uma Dunkel-Weizen com a rica força e corpo de uma Bock.

História: Aventinus, a mais antiga Doppelbock de trigo de alta fermentação do mundo, foi criada em 1907 na Weisse Brauhaus em Munique usando o ‘Méthode Champenoise’ com sedimento de levedura fresca no fundo da garrafa. Foi a resposta criativa da Schneider às Doppelbocks de baixa fermentação que eram muito bem aceitas em sua época.

Comentários: Uma cerveja Dunkelweizen produzida com a força de uma Bock ou Doppelbock. Atualmente também produzida no estilo “Eisbock” como uma “Specialty Beer”. Garrafas com sedimento de leveduras podem ser agitadas ou gentilmente giradas antes de serem servidas.

Ingredientes: Uma grande quantidade de malte de trigo é utilizada (pela legislação alemã, ao menos 50% da composição de grãos deve ser composta de trigo maltado, embora algumas versões usem até 70%) sendo o restante malte Viena e/ou Munique. A decocção é tradicional e promove a formação de um corpo adequado sem deixar um adocicado enjoativo. Leveduras ale para Weizen produzem caráter tipicamente condimentado e frutado. Temperaturas de fermentação podem afetar o equilíbrio de ésteres e compostos fenólicos e gerarem sabores e aromas indesejáveis. Uma pequena quantidade de lúpulos nobres é usada apenas para amargor.

Estatísticas: OG: 1,064 – 1,090

IBUs: 15 – 30 FG: 1,015 – 1,022

SRM: 12 – 25 ABV: 6,5 – 8,0%

OG – Original Gravity: Densidade Original. Medida da densidade do mostoantes da fermentação, que varia com a quantidade de açúcares em solução.

IBU – International Bittering Units: Unidades Internacionais de Amargor. Escala referente ao amargor do lúpulo.

FG – Final Gravity: Densidade Final. Medida da densidade do mosto fermentado. A relação entra a OG e a FG ajuda a estimar o teor alcoólico da cerveja final.

SRM – Standard Reference Method: Método Padrão de Referência, relativo à cor da cerveja, sendo valores mais baixos para cores mais claras e valores mais altos para cores mais escuras.

ABV – Alcohol by Volume: Volume de álcool por volume total de líquido (álc./vol.). Expressa o teor alcoólico.

CERVEJAS NACIONAIS:

·         Bamberg Weizenbock Dunkel

·         Eisenbahn Weizenbock

·         Gram Bier Weizenbock

·         Coruja Alba Weizenbock

·         Alenda Bier Weizenbock e outras opções!!!
 




 

 

Nenhum comentário:

Postar um comentário