Google+ Badge

terça-feira, 19 de agosto de 2014

O ESTILO DUNKELWEIZEN SEGUNDO O BJCP


Por Letícia Souza Gomes e Artur Neves

O BJCP (Beer Judge Certification Program) define as diretrizes de estilo para cerveja. Nesse guia podemos encontrar todos os estilos conhecidos até hoje, analisando a cerveja sob todos os aspectos: cor, aroma, sabor, corpo, densidade, teor alcoólico e muito mais

Dunkelweizen

Aroma: Aromas fenólicos (normalmente cravo) e ésteres frutados (normalmente banana) de moderados a fortes. O equilíbrio e a intensidade dos ésteres e compostos fenólicos podem variar, mas os melhores exemplares são razoavelmente equilibrados e proeminentes. Opcionalmente um caráter de baunilha e/ou de tutti-frutti, de muito leve a moderado, pode estar presente, mas não deve dominar. Caráter de lúpulos nobres varia de baixo a nenhum. O aroma de trigo de leve a moderado (que pode ser percebido como notas de pão ou cereais) pode estar presente e é frequentemente acompanhado por aroma de caramelo, casca de pão ou maltoso rico (dos maltes Viena e/ou Munique). Qualquer caráter maltoso é para dar suporte, e não para sobrepor o caráter da levedura. Nenhum diacetil ou DMS. Uma leve acidez é opcional, mas aceitável.

Aparência: Coloração de marrom claro a marrom mogno. Colarinho quase branco, muito grosso, consistente e persistente. O elevado teor de proteínas do trigo dificulta a limpidez neste estilo tradicionalmente não filtrado, embora este nível de turbidez seja variável. O sedimento de leveduras em suspensão (que deve ser misturado antes de beber) também contribui para a turbidez.

Sabor: Sabor de leve a moderadamente forte de banana e cravo. O equilíbrio, e a intensidade dos ésteres e compostos fenólicos podem variar, porém os melhores exemplares são razoavelmente equilibrados e proeminentes. Opcionalmente um caráter de muito leve a moderado de baunilha e/ou de tutti-frutti pode acentuar o sabor, dulçor e arredondamento das notas de banana; nenhum dos dois deve ser dominante quando presentes. O suave sabor do trigo, semelhante a pão ou cereais, é complementar, assim como um caráter rico de caramelo e/ou melanoidina dos maltes Viena e/ou Munique. A riqueza maltosa pode ser de baixa a médio-alta, mas não deve sobrepor ao caráter da levedura. Caráter de malte torrado é inapropriado. O sabor de lúpulo varia de muito baixo a ausente e o amargor do lúpulo de muito baixo a baixo. Caráter ácido e cítrico proveniente da levedura e a intensa carbonatação são às vezes presentes, mas tipicamente “ocultos”. Um paladar arredondado, saboroso, frequentemente doce e com final relativamente seco. Nenhum diacetil ou DMS.

Sensação de Boca: Corpo de médio-leve a médio-alto. A textura do trigo, assim como a levedura em suspensão, transmitem sensação de corpo cremoso e macio que pode progredir a um final mais leve, auxiliado por uma carbonatação moderada a alta. A presença dos maltes Viena e/ou Munique também proporciona sensação de riqueza e abundância. Efervescente.

Impressão Geral: Uma ale moderadamente escura a base de trigo, condimentada, frutada, maltosa e refrescante. Refletindo o melhor caráter de levedura e trigo de uma “Hefeweizen” combinada com a riqueza maltosa de uma Munich Dunkel.

História: Exemplares históricos das cervejas de trigo da Bavária eram frequentemente escuros. Nas décadas de 1950 e 1960, cervejas de trigo não tinham uma imagem jovial, pois muitas pessoas idosas as bebiam por suas propriedades benéficas à saúde. Atualmente as Hefeweizen mais leves são as mais comuns.

Comentários: A presença dos maltes Viena e/ou Munich dão a este estilo um caráter ricamente maltoso não encontrado numa Hefeweizen. Garrafas com sedimento de leveduras são tradicionalmente agitadas ou gentilmente giradas antes de serem servidas.

Ingredientes: Segundo a legislação alemã, pelo menos 50% da composição de grãos deve ser de trigo maltado, embora algumas versões usem até 70%; sendo o restante malte Viena e/ou Munique. A decocção é tradicional e promove a formação de um corpo adequado sem deixar um adocicado enjoativo. Leveduras ale para Weizen produzem caráter tipicamente condimentado e frutado, embora temperaturas de fermentação extremas possam afetar o equilíbrio e sabores indesejáveis. Uma pequena quantidade de lúpulos nobres é usada apenas para dar amargor.

Estatísticas: OG: 1,044 – 1,056

IBUs: 10 – 18 FG: 1,010 – 1,014

SRM: 14 – 23 ABV: 4,3 – 5,6%

 
OG – Original Gravity: Densidade Original. Medida da densidade do mostoantes da fermentação, que varia com a quantidade de açúcares em solução.
IBU – International Bittering Units: Unidades Internacionais de Amargor. Escala referente ao amargor do lúpulo.
FG – Final Gravity: Densidade Final. Medida da densidade do mosto fermentado. A relação entra a OG e a FG ajuda a estimar o teor alcoólico da cerveja final.
SRM – Standard Reference Method: Método Padrão de Referência, relativo à cor da cerveja, sendo valores mais baixos para cores mais claras e valores mais altos para cores mais escuras.
ABV – Alcohol by Volume: Volume de álcool por volume total de líquido (álc./vol.). Expressa o teor alcoólico.

CERVEJAS NACIONAIS:

·         Alenda Bier Dunkelweizen

 
É um estilo com muitas opções importadas e poucas opções nacionais...



Nenhum comentário:

Postar um comentário